sexta-feira, 20 de fevereiro de 2015

PERDÃO

Perdoem a sinceridade, mas o tal do perdão é muito mais fácil de pedir do que dar. Aliás, como a maioria das coisas.
Pedir perdão virou um gesto banal, as pessoas pedem porque aprendem desde pequenas que quando alguém não fica feliz com sua atitude você deve pedir perdão.
Crianças pequenas às vezes costumam morder umas as outras, a mãe em um gesto de desespero corre no cenário da agressão e logo ordena ao pequeno: peça perdão!
Está ai o erro de convicção, aprendemos que pedir perdão é como uma borracha gigante no erro que cometemos. Mas não é.
Pedir perdão não apaga o mal que se fez, não diminui a dor que causamos. Na verdade pedir perdão no automático é uma extensão da atitude errada que acabou de acontecer, não ajuda em nada, e até piora.
Muitas pessoas acham que a grande questão no ato de perdoar está no ofendido, acham que dar o perdão é bem mais difícil do que pedir.
Tenho pra mim que as coisas não bem assim. Já deixei de perdoar muitas vezes porque não acreditei na veracidade do gesto, não senti o arrependimento no pedido.
Não que exista uma formalidade para isso, mas acredito que quando praticado indiscriminadamente pode piorar muito as coisas.
As pessoas se desculpam sem saber a verdadeira dimensão do que estão fazendo realmente.
E assim também age aquele que aceita o pedido sem realmente ceder.
Pedir perdão é convencer o outro que a ofensa praticada foi injusta. Pedir perdão é convencer o outro que naquele momento você entende a dor que causou e que jamais repetiria o ato intencionalmente.
Pedir perdão e se compadecer e assumir uma postura de reparação imediata.
A reparação pode vir de várias formas, por vezes um olhar certo e verdadeiro pode ser considerado legitimo, e ter mais peso que certas palavras.
Muitas vezes quem nos magoa ou nos agride, se arrepende, e mesmo assim não vem na hora se retratar. Mas assistimos aquela pessoa que outra hora estava no ataque a praticar atos de reparação, o que para mim é muito mais valioso, pois saímos do campo das palavras e entramos no campo das atitudes.
E é bem isso que devemos a quem ofendemos e magoamos. Atitudes.
Não peça perdão, faça por merecer.


Angélica Marques