segunda-feira, 21 de julho de 2014

GOSTARIA DE SUMIR?

Você está preparado para receber tudo o que pede? Preparado para receber o que deseja o que anseia todos os dias?
Desde os pedidos mais simples aos mais bruscos que você pede na hora da raiva?
Será que você está preparado para ser atendido quando grita em alto e bom som: Eu quero sumir! Seria esta mesma a sua vontade?
Estamos acostumados a querer de mais e a valorizar de menos.
Nossa vida se resume em desejar.
Quando crianças desejamos crescer. Na adolescência desejamos não ter espinhas, ter aquele amor impossível, desejamos que nossos pais saiam do nosso pé, desejamos um belo corpo, etc.
Na vida adulta, antes mesmo de perceber que cá estamos e sem nenhum sinal de gratidão por termos ultrapassado mais uma fase, já mudamos totalmente nosso panorama de vida.
As espinham já se foram, aquela paixão platônica se não nos matou ou deixou graves sequelas, também desapareceu, e quase sempre nos diverte quando lembramos.
E a partir dai nossos desejos são mais pretenciosos, desejamos ter uma bela casa, um bom carro, o corpo perfeito ainda nos atrai, e é claro, desejamos o emprego ideal com um salário milionário.
Mas não há nada de errado em querer todas essas coisas. Boa parte delas, se não todas, eu também desejo, o problema é que quando alcançamos tudo, ou parte disso, estas conquistas não preenchem nossa vida, não nos faz feliz como achávamos que fariam.
Eu já quis tantas coisas, eu já quis tantas pessoas, já quis bens materiais e até mesmo sumir, e hoje, em primeiro lugar, agradeço por não sido atendida em meu desejo de sumir. Eu nunca quis sumir de verdade.
Agradeço também por não ter conseguido manter ao meu lado algumas pessoas, Deus sabe o mal que me fariam. Eu não sei, nada sabemos na verdade, mas Ele sabe de tudo e nos preserva dos nossos desejos vazios, baseados em caprichos e vaidades.
Como seria nossa vida se tudo aquilo que pedimos estivesse ao nosso alcance? Provavelmente, uma catástrofe.
Acho que um excelente exercício seria olhar para tudo o que nem sequer tivemos a ousadia de desejar e que se estabeleceu em nossa vida, e agradecer por isso.
Desejar, querer, lutar é, sim, um excelente combustível para a nossa vida, nos move e nos faz alcançar objetivos e crescer em vários aspectos. Não estou me opondo a isto.
O que nos falta é ter objetividade no que queremos e saber enxergar nossas vitórias diárias.
Não baseie sua vida em um “SE”: se eu tivesse, se eu pudesse, se eu conseguisse, se você viesse, e outros tantos “SE” que nos acorrentam e nos afastam da paz que necessitamos para realmente efetivar nossos projetos.
Aliás, eu amo esta palavra, “projeto”. Acredito que é mais positiva e mais palpável que “desejo”.
Um truque bacana que vem funcionando na minha vida, e vou compartilhar com vocês.
Não necessariamente em janeiro, ou no dia primeiro, mas, uma vez por ano, eu faço uma lista de projetos, em um circulo no meio de uma folha eu coloco o ano, e vou puxando setas para, em círculos menores elencar os meus projetos.
A graça não é necessariamente fazer o mapa de projetos para o seguinte ano. A graça é olhar esse mapa no ano seguinte e avaliar, riscar o que foi realizado, escrever ao lado de cada balãozinho que foi cumprido parcialmente, o que falta, ou que passou daquilo.
Faça seu mapa de projetos sim, expresse nele o que pretende em sua vida. Isso é importante para você se organizar, mas não se esqueça de olhar uma segunda vez para esse mapa e reavaliar cada balãozinho.
Em uma folha em branco cabem muitas coisas, Projete-se! Seja feliz com o possível.

Angélica Marques