sábado, 2 de agosto de 2014

VIRANDO HOMEM

Mais cedo ou mais tarde nós, mulheres, teremos que assumir que todas as nossas conquistas fizeram de nós seres assustadores, que causam medo e insegurança aos homens.
Impossível falar do presente sem nos remeter ao passado, e é lá que mora a mulher ideal.
Pois bem, rapazes. Enquanto não inventarem uma maquina do tempo ficará difícil encontrar essa pérola novamente, até porque uma mãe já é o suficiente para cada um.
Nós evoluímos, crescemos como pessoa, como participantes deste universo e assumimos nossos papéis no mundo e na sociedade.
Bom, tudo isso é muito lindo e muito maravilhoso, somos “O cara”.
Essas mudanças nos trouxeram muitas conquistas, isso é fato, porém os homens tendem a ter medo daquilo que não dominam e temo que essa mudança no universo feminino tenha nos separado de nossos pares.
A grande missão do homem em relação às mulheres sempre foi a proteção e a subsistência. Não precisamos mais de coisas tão básicas assim.
Uma mulher em perigo já foi o start de muitas paixões. Sabe aquele momento em que a mocinha clama por ajuda? Pois é, esse momento não existe mais.
Mas nossa natureza ainda nos remete a vivermos em pares, e um par, para os que não sabem é composto por duas pessoas (pasmem).
Eles estão sofrendo, nossos garotos perderam o objetivo, e como todo animal acuado está agressivo e tentando se adaptar.
Pensem bem, chega alguém do nada e começa a exercer suas funções, desde as mais básicas até as mais complexas, isso não é fácil para ninguém.
Não houve momento de transição, estamos tentando enfiar goela abaixo um novo perfil de mulher e isso não está dando certo.
Ser independente é muito bom, mas não podemos nos esquecer dos princípios básicos: ninguém é feliz sozinho. E me arrisco a dizer NINGUÉM em letras garrafais.
Somos iguais em nossas diferenças e é por isso que devemos nos colocar no lugar do outro de vez em quando.
Não faz muito tempo os rapazes começaram a disputar com a gente os horários nos salões, unhas, cabelo, massagens e tudo mais. O que aconteceu? Imediatamente esses homens ganharam um rótulo de metrossexuais.
Exemplo clássico de inversão de papéis. Não que os padrões devam ser inquebráveis, mas, foi o que aconteceu: tinha gente mexendo no nosso queijo, e nós não gostamos.
E outra, com eles frequentando salões nos veriam em nosso momento pré-Diva, um absurdo!
Bom, resumo da obra: em time que está ganhando não se mexe. O que vejo neste momento é um Brasil e Alemanha, e para as desavisadas, somos o Brasil.
Adequação é a palavra de ordem. Crescer, sim, afrontar, não.
Competir, sim, tripudiar, jamais.
Dividir a conta, sim, jogar na cara, não.
Ter seu dia com as amigas, sim, ser uma canalha, não.
Enfim, o básico: urbanidade entre homens e mulheres, pois nós precisamos uns dos outros.
Os homens não são ruins,o que eles querem é a nossa delicadeza de volta, a nossa feminilidade, e isso não tem nada a ver com nossas outras tantas habilidades. Podemos, sim, acumular mais essa função.

Angélica Marques