sábado, 14 de junho de 2014

3 Ponto LINDA




Fazer dez anos era o que eu realmente queria para minha vida, eu tinha absoluta certeza que não ouviria mais minha mãe dizer: - Saia, pois este não é assunto de criança! Naturalmente o grande dia chegou e com ele a certeza de que dez anos não era o suficiente para eu ouvir os grandes segredos da minha mãe.
Eu tinha então outra meta a ser alcançada, quinze anos. Com quinze anos sim, seria uma moça, e minha vida mudaria com certeza, a festa, e todas aquelas coisas que as meninas desejam nesta idade.
Eu só não contava com as espinhas a explosão hormonal e a nova frase da minha mãe: - Normal filha, isso é da idade, vai passar.
Até esse momento as coisas “não corriam muito bem”, mas, com dezoito..... Ah com dezoito tudo seria diferente, eu estaria dirigindo, com um super emprego, meu destino traçado, metas alcançadas e uma vida maravilhosa.
No dia do meu aniversário de dezoito anos eu percebi que esses marcos eram inúteis e na verdade não representavam muita coisa na vida de uma pessoa, eu não tinha o super emprego, obviamente não pude tirar minha carta e em relação ao meu destino eu só sabia que ele era incerto, descobri tudo isso na ressaca do dia seguinte.
Um dia, e não foi exatamente no meu aniversário, as coisas começaram a se encaixar, fiz vinte anos, e as incertezas dos quinze ficaram para traz, comecei a ter alguma grana (bem pouca) já podia estar com todas as rodas e partilhava com minha mãe assuntos interessantíssimos, enfim eu havia crescido.
Mas nada foi tão maravilhoso, nada se compara ao grande e verdadeiro marco na vida de uma mulher, OS TRINTA ANOS!
Agora sim aquela menina eufórica e ansiosa dos quinze desaparecera completamente, a insegurança dos dezoito foi substituída por uma determinação violenta e o que começou a brotar aos vinte agora estava no auge.
Trinta anos, uma mulher com três ponto qualquer coisa pode tudo, sabemos exatamente o que queremos e melhor ainda, sabemos o que não queremos.
A mulher com trinta anos tem direitos que ela assistiu serem conquistados, ela pode ter ou não ter filhos, se tem é capaz de cria-los sozinha com seu próprio trabalho, e quanto ao trabalho, é capaz de faze-lo com excelência enquanto cuida da sua cria.
As mulheres de trinta não procuram por homens, (com algumas exceções), elas na verdade elegem parcerias, e quando a escolha não é muito acertada, o que é absolutamente normal, ela simplesmente sacode a poeira e parte para um novo projeto.
E neste momento não existe mais meta em relação à grana, existe sim uma ponderação sobre o que vale a pena pagar pra ver, e o que não se quer nem pagando.
Nesta idade ainda não dominamos o mundo, mas o que importa? Afinal já dominamos nossos cabelos, e esse sim é um feito muito relevante na vida de uma mulher.
Com trinta anos já consigo ver que era mesmo melhor não estar presente nas conversas de “gente grande” e consigo também entender que tudo que minha mãe dizia ser normal era de fato da idade e logo passou realmente e graças a Deus.
Agora no alto dos meus trinta anos, admiro a liberdade que eu tinha aos dezoito, e a ausência de compromissos que me apavorava eu até vejo com saudade.
O que vem pela frente eu realmente não sei, mas o grande barato de ter trinta é que coisas dessa natureza não me afligem mais, eu realmente estou de braços abertos para as novas fases, recepcionarei a chegada dos meus sinais com o peito aberto e com a certeza de que eles são na verdade o prova de todas as fases que passei e que estão aqui para me lembrar de cada experiência que pude ter.
Mas deixa o futuro pra lá, agora sou 3.linda e preciso aproveitar!

Angélica Marques